quarta-feira, 18 de agosto de 2010

TEMA: REDAÇÃO DA SEMANA - O MULATO Aluísio de Azevedo.

Faça um comentário. 2º anos




O autor demonstra opinião oscilante a respeito do negro, do mulato e da escravidão.

No começo do livro pensa-se que este é claramente contra a escravidão mostrando que os escravos eram tidos como animais. Em algumas ocasiões os personagens se referem aos negros como “sujos” e aos mulatos como “cabras”. Esta fala pode ser indicio de duas interpretações: A primeira de que ele compartilhava desta opinião, pois este tratamento dispensado aos negros e aos mulatos é muito comum em toda a obra. E a segunda, que o autor queria abrir os olhos da sociedade para o problema da escravidão.

Esta dúbia interpretação pode ser vista também em outros trechos da obra: “_ Dantes, os escravos não tinham o que fazer!... Já não há tarefa! Já não há cativeiro! É por isso que eles andam tão descarados! Chicote! Chicote, até dizer basta! Que é do que eles precisam.

4 comentários:

  1. A segunda interpretação é a mais coerente, pois o autor deve ter se baseado no contexto mais explorado da época, que era a escravidão. por isso quisera passar a sociedade o que realmente se passava de baixo de seus olhos, o que os escravos eram submetidos a passar, entretanto quisera também mostra que mesmo a pessoa sendo livre, ela era submetida ao preconceito da sociedade, como aconteceu com o "mulato", que foi alvo do preconceito da família de sua amada. contudo ele também traz um grande relato do que acontece no dias de hoje, muitas pessoas de pele negra ainda sofrem preconceito racial por sua cor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Ate hoje isso ocorre, tanto o racismo quanto a escravidão, e "O mulato" enfatiza muito isso, e as vezes eu me pergunto ate quando isso vai durar?

    ResponderExcluir
  4. OS autores deveriam retratar mais o tema escravidão e preconceito para que as pessoas aprendem a terem menos racismo e ser mais coerente com as pessoas de pele diferente e se habitar com as diferenças porque o que vale é a quelidade do ser!

    ResponderExcluir